Se assumindo gay

As.su.mir. Eu odeio detesto esse termo para se falar sobre homossexualidade. Na minha concepção de mundo, se assume um erro, um crime, uma gafe, não uma orientação sexual. Sim, orientação, não opção. Opção = escolha. Ninguém escolhe ser gay. Eu sei que você já ouviu isso mil vezes. Mas repito para que não haja dúvidas. Ninguém escolhe ser gay porque ninguém quer sofrer preconceito, simples assim. Tão simples quanto 1 + 1 = 2. Ninguém quer ser excluído, muito pelo contrário; nós, seres humanos, fazemos um puta esforço para sermos aceitos de diversas maneiras na sociedade. Poderia citar milhares de exemplos mas não vem ao caso no momento.

“Então calma, deixa eu ver se entendi… Assumir não é o correto, então qual verbo usar?” Vou tentar te explicar. Primeiramente você se assume gay para você mesmx, portanto acredito que você se reconhece gay. Já na infância ou, mais tardiamente, na adolescência, você percebe que foge ao padrão social e que é diferente (comportamento) da maioria. A sociedade te diz que você tem que gostar de menina (se você for menino e vice versa) e você SIMPLESMENTE NÃO GOSTA. Tuas tias perguntam: e xs namoradinhxs? E você não consegue sequer responder aquilo.

Após se reconhecer gay, você tem que se assumir pro mundo, não é mesmo? Não. Você se apresenta gay pro mundo. E muitas vezes não é preciso verbalizar isso, você não precisa dizer em alto e bom som que é gay, quem tiver que saber, vai saber, vai perceber de algum jeito. O máximo que pode acontecer é você contar para sua família, seus amigos que você é gay. Ponto. Você se apresenta como é, você conta o que você é (uma das milhares de coisas né mores, porque além disso você é incrível, maravilhosx, inteligente e por aí vai). E não é porque você não gritou que é gay que você esteja se escondendo (vulgo no armário). Talvez seja necessário se apresentar gay sim, se declarar gay, mas assumir, jamais. E talvez, por algum motivo, você precise se esconder, tudo bem também, ninguém pode te julgar por isso.

Assumir é um termo muito pesado para uma coisa tão maravilhosa e libertadora que é ser gay. Apesar de todos os pesares.

Minha história: descobri muito cedo que era gay, ainda criança eu percebi que não era como os outros meninos. Por ser muito novo eu não entendia direito o que aquilo significava e nem no que implicava. À medida que o tempo foi passando, fui entendendo melhor, mas no começo foi um pouco difícil me aceitar como eu era, devido a inúmeros fatores, como preconceito e afins. O simples fato de ser diferente da maioria já é um tanto quanto assustador. Sofri muito bullying na escola, o que não facilitou em nada. Hoje  eu me aceito e me amo (muito) como eu sou e não trocaria por nada. Sou grato por ser quem eu sou e por todas as experiências que vivi. Quanto a me apresentar gay pro mundo, nunca precisei verbalizar, se é que você me entende… rs

E vamos parar de nos preocupar com a orientação sexual alheia também. Fodas com quem teu vizinho dorme, se não for com seu/sua parceiro(a), não é da sua conta e você não tem que se incomodar. Tá bem? Então tá bem!

Estate-Planning-In-Adelaide-For-Same-Sex-Couples