Desistir também é um ato de coragem

Dias atrás estava navegando na internet (ainda se usa esse termo? 😅) e me deparei com uma imagem “motivacional” que possuía uma pessoa vestida com roupa de corrida, parada, apoiada nos joelhos e visivelmente cansada, que continha a seguinte frase: Você pode tudo. Menos desistir. Desde então não parei de pensar sobre isso. Sobre não poder desistir.

É muito louco isso mas, às vezes, desistir é o melhor que você pode fazer por você mesmo. Desistir muitas vezes é a melhor decisão a ser tomada, e em alguns casos é uma escolha saudável.

Às vezes precisamos desistir de uma relação que não nos faz bem, em que você doa muito mais do que recebe; ou uma relação que já não nos traz felicidade e já não tem mais jeito. Às vezes precisamos desistir daquele emprego que já chegamos querendo ir embora, que passamos a semana pensando no sábado e domingo. Às vezes precisamos desistir daquela atividade física que não nos dá prazer e que fazemos por pura obrigação e acaba nos gerando mais estresse e insatisfação. Às vezes precisamos desistir daquele  curso que começamos mas não gostamos. Às vezes precisamos desistir daquele amigo que não toma jeito e só suga as nossas energias. Às vezes precisamos desistir daquele sonho que tanto insistimos mas não acontece. Desistir também é um ato de coragem. Você não precisa insistir eternamente. Se engana quem pensa que desistir é coisa de gente fraca, desistir é para os fortes.

Abrir mão de certas coisas é um processo muito doloroso e quando alguém desiste não é porque foi fraco, é porque foi forte tempo demais e reconheceu que aquilo já não lhe fazia bem mais. Certas coisas, pessoas, atitudes e comportamentos são nocivos à nossa saúde mental e bem estar, então desapegue.

Quando digo para desistir não quero dizer apenas para jogar tudo para o alto. Digo para renunciar ao que não agrega mais, renunciar ao que não aquece teu coração e começar algo novo, se permitir um recomeço. Se está em uma relação que não te faz bem, termine, conheça novas pessoas. Se está em um emprego que não gosta, encontre outro. Se pratica um exercício que não te dá prazer, tente outro. Se começou um curso e se desiludiu, comece outro. E comece outro de novo. E comece tudo outra vez. É permitido desistir sim, só não é permitido estacionar, porque a vida é movimento.

O que não podemos desistir nunca é de ser feliz, aí sim, não dá pra desistir. Mas tá liberado desistir de tudo que não te faz bem, ok? 🙂

E, ah! Não se culpe por desistir, ok? Cada um sabe dos seus limites. Seja gentil com você mesmo.

b90d8435f79f62631edc36f616002d22

Vive melhor quem sabe a hora de se afastar…

Uma monótona tarde de domingo como outra qualquer, estava eu com uma leve ressaca, navegando na internet, quando me deparei com esse texto foda; então resolvi compartilhar com vocês esse tapa na cara. Leitura necessária para quem, assim como eu, é apegado (seja às pessoas, às coisas ou aos momentos), para quem se humilha pro boy lixo e/ou amigo lixo e para todas as outras pessoas que, às vezes, colocam o amor próprio no bolso.

“Você tem que aprender a levantar-se da mesa quando o amor não estiver mais sendo servido.” (Nina Simone)

E então o tempo passa e tudo começa a ficar diferente do que era antes. As pessoas mudam, outras vão embora, os ambientes tomam outras formas, o mundo renova-se e, ali no meio disso tudo, ficamos nós, tentando nos equilibrar nesta corda bamba que é a vida. Talvez por conta desse exterior em constante mudança, sempre imprevisível, tentamos manter as coisas em ordem perto de nós, como se precisássemos de alguma constância em meio a essa vida que chacoalha sem parar.

Infelizmente, se nos prendermos a coisas e pessoas, depositando-lhes toda carga de responsabilidade sobre nosso equilíbrio, necessitando de que tudo fique como e onde está, sempre, apesar de tudo, haja o que houver, muito provavelmente estaremos condenados a nos decepcionar fortemente. Haverá momentos em que tudo o que parecia certo se desmorona e nada volta a ser como antes nem ninguém será como já foi um dia. Para então sobrevivermos, teremos que ir, teremos que deixar ir, sejam os momentos, sejam as coisas, as pessoas, os sentimentos.

Teremos que perceber quando não formos mais parte de certos lugares, quando não mais precisarem de nós ali, quando nossa presença não for requisitada, quando nosso amor não mais encontrar terreno afetivo ao lado de quem foge ao nosso olhar. Porque haverá ambientes que ficarão melhor sem nossa presença, haverá pessoas que desejarão nossa distância, haverá vidas correndo com tranquilidade longe de nós. Ainda que não seja fácil, será preciso nos afastar do que e de quem já caminha longe da gente.

tumblr_m6jpyzn5sq1ql13bzo1_500_large

Na verdade, mesmo que leve um tempo, acabaremos chegando à conclusão de que tudo o que não nos requer e todos que não nos chamam mais não nos farão falta alguma, pois o que não carrega reciprocidade não vinga, não floresce, nada oferta nem acrescenta. Ficaremos bem melhor longe do que não nos recebia com verdade. Muitas vezes, até, nosso afastamento será providencial para que nossa ausência traga clareza quanto à importância que temos, fazendo com que voltemos mais fortes junto ao que era incerto e já não é mais.

Como se vê, embora relutemos muito em nos desprender de algumas coisas e de certas pessoas que temos como imprescindíveis, tomarmos a atitude de nos afastar do que já transbordou para o lado errado, do que sufoca e apaga o nosso sorriso, de quem mal nos percebe e pouco se importa, acabará por nos poupar de machucados e dissabores, pois é assim que tomaremos de volta nosso amor-próprio, é assim que saberemos nos valorizar antes de tudo. Sofrer com as rupturas nos fortalece e passa; sofrer sem ter coragem de sair daquilo que causa dor nos diminui e não tem fim. A escolha é só nossa.

*Texto de Marcel Camargo

 

Saber a hora de fechar uma porta e abrir uma janela, muitas vezes, se faz necessário. Tudo muda o tempo todo. Não há nada que dure para sempre, por mais que a gente queira. Tomar decisões nem sempre é uma tarefa fácil, mas permanecer e insistir no erro pode ser letal. É preciso coragem para se abrir ao novo. Uma vez uma senhora me disse: “Nunca se esqueça que aquilo que está por vir será sempre melhor do que aquilo que já foi.” É isso, eu sigo acreditando… Cada dia mais.