Dicas para cumprir metas e realizar sonhos

Podemos falar que agora o ano, finalmente, começou, né? Férias já se foram, carnaval acabou, agora é vamo que vamo e bora fazendo! Não tem mais desculpas para não colocar em prática seus objetivos e promessas.

E se você ainda não começou, calma que ainda tem 10 meses pela frente e eu tô aqui pra te dar uma ajudinha a começar a cumprir essas metas! Listei 5 dicas pra te ajudar nessa missão de cumprir metas e fazer os sonhos acontecerem! A vida é muito curta, chega de perder tempo! Bora lá? Então se liga!

 

1. Desapegue e se abra para o novo

Sabe aquela história de se acomodar? Pois é! Deixe em 2018! Em 2019, não tenha medo de mudanças. Se tá acomodado num trabalho que já não acrescenta, num relacionamento que já não te faz mais feliz… Desapegue! Nunca é tarde para se afastar do que não te faz bem mais. Sim, eu sei que é difícil mudar, ainda mais quando estamos assim há muito tempo e já nos acostumamos. Mas a gente precisa deixar algumas coisas para trás para seguir em frente. Se abra ao novo! O desconhecido amedronta, né? Mas uma coisa eu te garanto: podem ter oportunidades incríveis do outro lado!

 

2. Escreva suas metas

Sim! Faça uma lista mesmo! Seja num papel, agenda ou nas notas do celular (eu amo escrever por lá)! Eu sou meio old school e ainda utilizo (e prefiro) o papel rs. Então enumere todos os seus objetivos para esse ano. Escreva tudo aquilo que você deseja mudar ou conquistar. Isso te ajuda a visualizar o que você quer e como fazer para alcançar. E o mais importante: leia essa lista todos os dias! Parece besteira, mas a força do pensamento e das palavras têm mais poder do que a gente pensa! Mas tem que correr atrás desses objetivos também, hein!

 

3. Dê o primeiro passo (e não desista no segundo)

Costumo dizer que o primeiro passo é sempre o mais difícil, por isso é tão necessário. Sabe aquele curso que você quer fazer há tempos, mas sempre desiste porque “não tem tempo”? Se inscreva hoje! No mais tardar amanhã! As coisas não caem do céu e hoje é o tempo exato para você ir atrás dos seus sonhos e começar aquele projeto que tanto sonha em realizar! Comece hoje! Vai ser difícil no começo? Vai, a correria do dia a dia não perdoa, mas no final vai valer a pena! Lembre-se que tudo o que nós temos é o dia de hoje, o amanhã não é prometido.

 

4. Resolva o que não está resolvido

Importantíssimo isso! Tudo o que é mal resolvido vira vínculo! Portanto, desvincule-se! Chega de guardar rancor, ok? É essencial fazer as pazes com o passado para seguir em frente leve e sem amarras. Se está chateado com alguma coisa ou alguém, se terminou uma relação de forma ruim, resolva com a pessoa (ou com você mesmo, se for o caso). Nada de ficar com orgulho bobo ou se culpando! Muitas vezes preferimos apenas deixar pra lá ou nos afastar, mas isso não vale a nossa paz. Resolva tudo o que estiver te incomodando. Só assim você vai conseguir focar e correr atrás dos seus objetivos.

 

5. Comemore e aproveite as pequenas conquistas

As pequenas conquistas também devem ser comemoradas e as pequenas coisas devem ser celebradas. Comemorar as pequenas conquistas vai ter dar forças para continuar correndo atrás e perseguindo seus sonhos. Não se esqueça de aproveitar a caminhada. Aproveite cada mês, cada semana, cada dia, cada passo dado em direção aos seus sonhos. E agradeça. Agradeça pelos momentos bons e pelos ruins também, que trazem tantos aprendizados. Faça o que você ama, corra atrás dos seus sonhos. Seja feliz no simples!

 

Bônus: 3 aplicativos para te ajudar a ser mais produtivo

Com tanto estímulo, informação e coisas para fazer hoje em dia, é natural que a gente se distraia e perca o foco do que realmente importa e queremos. Por isso, selecionei três aplicativos que nos dão uma ajudinha quando o quesito é produtividade.

  • Todoist

Com mecânicas simples, o Todoist funciona como uma lista de tarefas diárias, que podem ser separadas em diferentes projetos. É ideal para quem está começando a querer organizar melhor suas tarefas e compromissos do dia. Na versão gratuita, ele permite criar tarefas e projetos, agendar compromissos e definir níveis de prioridade. Já a versão paga conta com algumas funcionalidades extras, como a possibilidade de adicionar anotações às tarefas e o envio de notificações agendadas para que não perca um compromisso.

  • Focus Keeper

Muitas pessoas usam a técnica Pomodoro para conseguir ficar focadas em suas tarefas ao longo dia. Esta é uma das técnicas mais conhecidas e populares para quem almeja ter maior produtividade. Ela consiste em se focar em uma tarefa de maneira ininterrupta por 25 minutos, deixando 5 minutos de descanso, fechando um bloco de 30 minutos.

Com o aplicativo Focus Keeper, você pode fazer isso de forma mais eficiente, já que ele tem um timer que mostra os 25 minutos que você deve se concentrar em suas tarefas antes de tirar uma curta pausa. O bom é que você pode fazer isso a qualquer momento ao longo do dia, já que o app é muito fácil de usar.

  • Hours

O Hours é um dos apps de produtividade que você precisa experimentar. Ele serve para marcar o tempo que você passa em suas tarefas e o tempo que você gasta com distrações. No final da semana, ele mostrará a comparação dos dois dados e você verá se está usando seu tempo de maneira eficaz ou não. Com as informações apresentadas, você também consegue ver o que precisa melhorar e o que precisa diminuir em seus hábitos diários.

 

Lidando com pessoas tóxicas

Quem nunca se deparou com uma pessoa tóxica, né? Vez ou outra, a gente cruza com pessoas assim na nossa vida, não tem jeito, seja no trabalho ou na vida pessoal. E se a gente não souber lidar com elas, podemos ser envenenados e acabar caindo em suas armadilhas difíceis de escapar. Se deixar, elas nos oprimem e sugam nossa energia até a gente adoecer.

Pessoas tóxicas são aquelas que exalam algum tipo de sentimento ou sensação ruim que pode afetar o nosso dia a dia. Essas pessoas, infelizmente, não vêm com avisos ou alertas. E como qualquer tipo de toxina, você precisa limitar sua exposição a essas pessoas. Ou até mesmo cortar laços para se proteger.

Não é difícil descobrir quem é uma pessoa tóxica. Quer ver? Pense nas pessoas que você conhece. Você se sente tenso, desconfortável ou infeliz em sua presença? Se sente exausto no momento em que se separam? Teme as suas reações, pois são sempre inesperadas? Se sente obrigado a resolver todos os seus problemas? Se sente triste, deprimido ou irritado quando estão juntos? Se sente obrigado a impressioná-la? Se sente sempre na defensiva? É afetado pelos seus dramas ou pelos seus problemas? Essa pessoa ignora as suas necessidades? Essa pessoa exige tudo de você, mas jamais te dá qualquer coisa em troca? Essa pessoa jamais se desculpa nem reconhece seus próprios erros? Essa pessoa não respeita o seu espaço e a sua privacidade? Essa pessoa o leva a fofocar ou a agir com crueldade? Essa pessoa desperta as suas piores qualidades? Então essa pessoa é tóxica.

perigo-toxico
Cuidado!

Mas não confunda pessoas tóxicas com aquelas que você não concorda ou não se dá bem. As pessoas possuem opiniões diferentes e sempre haverá discordâncias com alguém, a qualquer momento. (Se você não entende isso, talvez o problema esteja em você.)

Algumas espécies (risos) de pessoas tóxicas:

  • Pessoas arrogantes

Há uma grande diferença entre confiança e arrogância. Confiança inspira; arrogância intimida. Pessoas arrogantes sempre sabem mais e se sentem superiores aos outros.

  • Pessoas vítimas

Uma das piores pessoas que você pode encontrar na sua vida são as que sempre se fazem de vítimas. Elas olham para seus próprios erros e sempre encontram alguém para culpar. Elas nunca se responsabilizam pelas vidas delas.

  • Pessoas controladoras

Elas sabem tudo e a melhor forma de fazer qualquer coisa, mas no fundo são pessoas extremamente inseguras. O problema é que enquanto você estiver rodeada por elas, você nunca terá chance de dar sua opinião ou ser escutado.

  • Pessoas invejosas

Elas nunca estão felizes com o que têm e são incapazes de ficarem felizes pelas boas coisas que acontecem com você. Elas acreditam que se alguma coisa benéfica tem que acontecer, deve ser com elas.

  • Pessoas negativas

Você provavelmente deve conhecer alguém que vive irritado, ressentido, desconfiado de tudo. Negatividade destrói relacionamentos e passar tempo com pessoas assim dá a sensação de que estão sugando sua vida.

  • Pessoas que julgam

Há uma grande diferença entre julgar com base em dados objetivos e julgar apenas para criticar. Pessoas que julgam demais são rápidas para tirar conclusões que nem sempre se provam corretas. Elas são péssimas ouvintes e comunicadoras.

  • Pessoas fofoqueiras

Elas conversam sobre os outros sem distinguir o que é especulação e realidade. Isso é uma forma de elevá-las acima de suas inseguranças. Poucas coisas são mais destrutivas do que fofocas.

  • Pessoas manipuladoras

As pessoas tóxicas também são boas de argumentos e possuem um alto poder de persuasão. Afinal, para conseguirem o querem, sabem que precisam desse poder, mesmo que isso signifique prejudicar o outro. Elas também podem fazer com que você se sinta devendo algo, mesmo que não seja verdade, para conseguirem a sua ajuda. Então, fique atento.

  • Pessoas sem caráter

Se uma pessoa não tem integridade ou honestidade –  trair, manipular, fofocar fazem parte de suas atitudes diárias –, haverá poucas coisas que ela não faça para conseguir o que quer.

Eu, sinceramente, não sei qual delas é a pior. E, detalhe, as mais nocivas não se encaixam apenas em uma dessas categorias, mas em muitas delas! SOS

Como lidar e evitar as pessoas tóxicas?

Tá, mas e como lidar com elas? Como me livrar delas? Bom, nem sempre é possível se livrar de alguma pessoa tóxica, por isso, o ideal é saber lidar com elas.

Para começar, não ceda aos caprichos dessas pessoas e evite ficar se explicando, se justificando ou se defendendo, principalmente se for acusado por algo que não fez. Você não precisa provar nada a ninguém, só a você mesmo.

Como as pessoas tóxicas não admitem o erro, não adianta esperar por um pedido de desculpas. O melhor a fazer é seguir em frente. Você não precisa disso para seguir a sua vida normalmente.

Em uma discussão, não espere ela admitir que você está certo para encerrar o assunto. Se você souber disso, é o que importa. Deixe-a pensar do jeito dela e pare de gastar energia de forma inútil.

Mas, em alguns casos, faça sua voz ser ouvida. Nem todo mundo que exibe comportamento tóxico é um “valentão”, mas alguns são. Agressores tóxicos muitas vezes vomitam sua toxicidade para os outros, como um meio para um fim. Quando tal comportamento é evidente, é hora de fazer sua voz ouvida e se opor a tais atos de intimidação. Muitas vezes, o “valentão”, quando confrontado com resistência, vai se render e simplesmente seguir em frente.

E, também, nunca se deixe enganar pelas pessoas tóxicas quando elas quiserem te convencer de que você deve algo. Lembre-se de que você nasceu livre e não deve nada a ninguém. No mais, não deixe que elas te ponham para baixo, te ofendam ou te agridam verbal e fisicamente. As pessoas que realmente se preocupam com você não te fazem se sentir um lixo.

Por fim, o melhor de tudo é, simplesmente, se afastar e seguir a sua vida. Lembre-se de que a vida é curta demais para perder tempo com essas pessoas.

Entenda que você possui liberdade e total domínio sobre a sua própria vida. Só você pode mudar o rumo dela e é responsável pelas escolhas que faz. Os erros são uma consequência natural que te levarão a aprendizados valiosos.

Então, ao se deparar com pessoas tóxicas, saiba que tem total liberdade para evitá-las e dizer “não” quando quiser. Continue confiante, não perca seus objetivos de vista e preserve as peculiaridades que te fazem único.

 

A importância do Dia Internacional do Orgulho LGBTQI+

Hoje, dia 28 de junho, é comemorado o Dia Internacional do Orgulho LGBTQI+ no Brasil e no resto do mundo. A data tem origem em uma reação, em 1969, a sucessivas batidas policiais a um bar em Nova York, chamado Stonewall Inn, local que era ponto de encontro de gays, lésbicas, travestis, trans e drag queens em um momento em que espaços para a comunidade LGBTQI+ eram raros. Ações semelhantes da polícia eram frequentes naquela época, não só nos EUA, como também em outros países, em geral justificadas por “conduta imoral”. Ou seja, movidas por puro preconceito.

Mas naquele 28 de junho foi diferente. Uma multidão, indignada com a truculência da polícia, começou a se aglomerar ao redor do bar para impedir o deslocamento dos detidos. Resumindo, houve confronto e mais de 10 pessoas foram presas. Mas foi o estopim para outros protestos na cidade nas noites seguintes.

No ano seguinte, a comunidade LGBTQI+ local decidiu homenagear a coragem na luta por liberdade e realizou a primeira parada gay do mundo na data. A partir daí, outros eventos se inspiraram e surgiram em outras cidades. Hoje, 28 e o mês de junho são considerados dia e mês do Orgulho LGBTQI+.

Aí você deve estar se perguntando, por que, nos dias de hoje, ainda falamos em orgulho gay? É preciso mesmo manter esse rótulo e, ainda por cima, levantar essa bandeira? Não podemos apenas ser seres humanos, independente de suas orientações sexuais?

Garanto que muita gente deve se fazer essas perguntas toda vez que um gay sai às ruas ou na internet manifestando seu orgulho de ser LGBTQI+. Tem gente que acredita, inclusive, que também deve haver o Dia do Orgulho Hétero, como resposta. Sim, pasmem! Parece até piada…

Muita gente, inclusive políticos (para lá de questionáveis), defende que existe uma ditadura gay, que nós estamos tentando impor nossa “ideologia”. É o que se falava, por exemplo, quando foi criada uma campanha educacional contra o bullying às crianças gays nas escolas.

A verdade é que o Orgulho LGBTQI+ tem sua importância devido a uma história de lutas, resistência e preconceitos. Mas, SIM, essa data ainda é muito importante, mesmo nos dias atuais! Ainda é preciso lutar pelos nossos direitos e comemorar tudo o que já foi conquistado ao longo desses anos. Eu poderia listar inúmeros motivos pelos quais esse dia é importante na sociedade atual, alguns deles:

  • Gays sofrem violência (física e emocional). Nas ruas e, muitas vezes, dentro de casa. Será que algum hétero já foi espancado na rua pelo simples fato de estar beijando sua namorada? Ou simplesmente porque tinha jeito de hétero? Existem discursos, inclusive entre os próprios gays, de que a violência contra os homossexuais acontece porque eles “dão pinta”. E voltamos para aquela velha questão de que a vítima não pode – nunca – ser culpada.
  • Homossexuais vão para o inferno. Para muitas religiões, ser gay é considerado pecado e os gays estão condenados pelo simples fato de serem o que são. Essa doutrina religiosa sufoca, tortura e mata milhares de jovens.
  • Homossexuais precisam ser curados. Sim, ainda se fala (e muitos acreditam) em uma suposta cura gay. A homossexualidade já foi considerada um distúrbio mental sim. Mas em 1973, a Associação Americana de Psiquiatria retirou as orientações sexuais de sua lista de transtornos mentais ou emocionais. Mas até 1990, a Organização Mundial de Saúde ainda tinha um CID – Código Internacional de Doenças para o homossexualismo (sufixo não utilizado mais). Finalmente a partir de 1990, o código foi retirado.
  • Homossexuais são discriminados nas próprias famílias. Será que algum hétero já apanhou dos pais porque gosta do mesmo sexo? Será que algum hétero já foi expulso de casa pelo simples fato de gostar de pessoas do mesmo sexo? Muitos pais ainda não aceitam seus filhos gays, por diversos motivos, sejam religiosos ou não.
  • Gays sofrem nas escolas. Você se lembra de alguma criança hétero ser ridicularizada na escola, pelo simples fato de ser hétero? O bullying contra homossexuais ainda existe no ambiente escolar, mesmo sendo menor que há alguns anos, ele ainda está presente.
  • Gays são humilhados. Na internet. Na rua. Nas escolas. No ambiente de trabalho… O que não falta são discursos de ódio por aí. O que não falta são piadinhas ridicularizando e diminuindo homossexuais.
  • O Brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo: 1 a cada 19 horas, segundo relatório da Anistia Internacional divulgado esse ano. Sem mais.

Por essas e outras, manifestar seu orgulho LGBTQI+ é uma forma de dizer NÃO para todos esses discursos; e uma maneira de ajudar a todxs aquelxs que ainda não se aceitam. Muita gente por aí ainda esconde sua orientação sexual e encontra dificuldades de se impor perante a sociedade.

Seguiremos lutando e celebrando, até o dia em que ninguém precise mais levantar bandeiras e gritar seu orgulho. Mas ainda estamos bem longe desse dia, infelizmente.

be pride
Be proud!

Promessas de fim de ano

2017 forçou a barra né, mores? Que ano filho da put*! Quer dizer, não sei pra vocês, mas pra mim foi um ano puxado… Mas sobrevivi! (Teve seus bons momentos, obrigado universo 🙌🏻) Mas não tô aqui pra falar do que já foi e sim do que virá!

Como de praxe, todo final de ano a gente promete mil coisas pro ano que vai começar né, não tem jeito… Fazemos mil e um planos, traçamos 559 metas, prometemos outras 674 coisas e criamos inúmeras expectativas. Pra que??? Por que fazemos isso com nós mesmos? Por que criar tanta expectativa? Por que prometer tanta coisa?

Pois bem, vamos lá! Primeiro: de nada adianta prometer coisas que você não terá condições de cumprir. Segundo: não adianta fazer planos irreais ou difíceis de se tornarem realidade. Terceiro e último: de nada adianta prometer e planejar se você não está disposto a (ou não tem meios para) fazer acontecer.

Ok, até aqui nenhuma novidade né? Nada de novo sob o sol… Mas eu queria propor (pra mim e pra vocês) que a gente não prometa nada que esteja fora do nosso alcance e que a gente não crie expectativas demasiadas. Sei que é difícil numa virada de ano, mas vamos tentar? Vamos deixar 2018 nos surpreender?

Vamos traçar pequenas metas que a gente possa cumprir uma a uma para alcançar um objetivo maior. Dessa forma nos frustramos menos e temos um ano mais leve, com menos cobrança e decepção com nós mesmos e mais realizações (mesmo que pequenas). E, claro, vamos aproveitar essa nova oportunidade de recomeçar para dar aquela chacoalhada na vida e deixar para trás tudo que a gente não precisa carregar. Sem pesos desnecessários para 2018, combinado?

Nota: não vamos esquecer de agradecer pelos bons momentos, ok? E pelos ruins também porque né… São eles que nos ensinam a aproveitar os bons.

E que 2018 seja bom com a gente, que traga novos sorrisos, que seja leve e doce… Um ano novo de horizontes abertos para vocês ❤️

Desistir também é um ato de coragem

Dias atrás estava navegando na internet (ainda se usa esse termo? 😅) e me deparei com uma imagem “motivacional” que possuía uma pessoa vestida com roupa de corrida, parada, apoiada nos joelhos e visivelmente cansada, que continha a seguinte frase: Você pode tudo. Menos desistir. Desde então não parei de pensar sobre isso. Sobre não poder desistir.

É muito louco isso mas, às vezes, desistir é o melhor que você pode fazer por você mesmo. Desistir muitas vezes é a melhor decisão a ser tomada, e em alguns casos é uma escolha saudável.

Às vezes precisamos desistir de uma relação que não nos faz bem, em que você doa muito mais do que recebe; ou uma relação que já não nos traz felicidade e já não tem mais jeito. Às vezes precisamos desistir daquele emprego que já chegamos querendo ir embora, que passamos a semana pensando no sábado e domingo. Às vezes precisamos desistir daquela atividade física que não nos dá prazer e que fazemos por pura obrigação e acaba nos gerando mais estresse e insatisfação. Às vezes precisamos desistir daquele  curso que começamos mas não gostamos. Às vezes precisamos desistir daquele amigo que não toma jeito e só suga as nossas energias. Às vezes precisamos desistir daquele sonho que tanto insistimos mas não acontece. Desistir também é um ato de coragem. Você não precisa insistir eternamente. Se engana quem pensa que desistir é coisa de gente fraca, desistir é para os fortes.

Abrir mão de certas coisas é um processo muito doloroso e quando alguém desiste não é porque foi fraco, é porque foi forte tempo demais e reconheceu que aquilo já não lhe fazia bem mais. Certas coisas, pessoas, atitudes e comportamentos são nocivos à nossa saúde mental e bem estar, então desapegue.

Quando digo para desistir não quero dizer apenas para jogar tudo para o alto. Digo para renunciar ao que não agrega mais, renunciar ao que não aquece teu coração e começar algo novo, se permitir um recomeço. Se está em uma relação que não te faz bem, termine, conheça novas pessoas. Se está em um emprego que não gosta, encontre outro. Se pratica um exercício que não te dá prazer, tente outro. Se começou um curso e se desiludiu, comece outro. E comece outro de novo. E comece tudo outra vez. É permitido desistir sim, só não é permitido estacionar, porque a vida é movimento.

O que não podemos desistir nunca é de ser feliz, aí sim, não dá pra desistir. Mas tá liberado desistir de tudo que não te faz bem, ok? 🙂

E, ah! Não se culpe por desistir, ok? Cada um sabe dos seus limites. Seja gentil com você mesmo.

b90d8435f79f62631edc36f616002d22

Como dar um pé na bunda

Nem sempre a gente é a bunda, né mores… Às vezes somos o pé na bunda de alguém, acontece… rs Ainda bem! (Ou não 😂) Dar um pé na bunda também pode ser uma tarefa muito difícil, na verdade eu não sei o que é mais difícil, levar um pé ou dar um pé. Acho que depende da situação, da pessoa… Cada caso é um caso né… Há quem prefira que terminem com eles do que ter que terminar uma relação, e vice versa. Mas enfim, vamos ao que interessa. Só existem duas maneiras de se fazer isso de forma menos traumática.

1) A primeira delas, converse. Tudo se resolve conversando. Se não está bom, se não quer mais, se conheceu alguém novo, o que quer que seja, chame a pessoa e converse. Seja franco(a) e honesto(a) (com o outro e com você). Colocar as cartas na mesa é sempre a melhor opção. De preferência pessoalmente, ok? Não se termina uma relação por mensagem de texto ou ligação. Não seja cuzão. Lembre-se que quando você vai terminar uma relação, é muito importante explicar o que está sentindo e ouvir o que o outro está sentindo. O olho no olho ainda é a melhor forma de fazer isso.

Dicas importantes:

  • Prepare o terreno. Antes de partir para a conversa final, dê indícios de que as coisas não estão bem. Demonstre aos poucos que você não está satisfeito(a).
  • Escolha um território neutro. Sim, o local do término faz toda a diferença. Tem que ser reservado.
  • Defina como será a relação entre vocês dali em diante, para que não ocorra situações desagradáveis e/ou constrangedoras.
  • Ponto final é ponto final. Nada dessa coisa de ‘ai, vamos dar um tempo e blá blá blá’, não!

 

2) Em último caso (só em último mesmo!), faça a pessoa terminar com você. Não acho uma boa opção, mas é uma para quem é covarde o suficiente ou por algum motivo muito forte não consegue colocar um ponto final na relação. Como eu disse, cada caso é um caso né, não podemos julgar. Então dê motivos para a pessoa terminar com você, em outras palavras, seja um cuzão. 😔 Assim a pessoa vai te dar um pé (ou achar que deu) quando na verdade você quem deu.

Essa pode até vir a ser uma boa opção quando seu/sua parceiro(a) é muito apaixonado(a) por você e/ou é muito sensível e sentimental e vá ficar profundamente triste e arrasado(a) com o pé na bunda. Assim, essa seria uma forma de “minimizar os danos”, a pessoa ficaria melhor com ela mesma pensando que abandonou ao invés de ter sido abandonada. Mas não é muito honesto né, enfim… Nesse caso tem que colocar as coisas na balança e analisar. E provavelmente, ela vá acabar te odiando. rs

 

Atualmente, com a presença da tecnologia em nossas vidas, muitas vezes, nem existe o pé na bunda. As pessoas simplesmente somem e não respondem nunca mais. Essa é a pior forma de terminar uma relação. Não faça isso!!! Só demonstra desprezo pelos sentimentos alheios e o quanto você é covarde e incapaz de enfrentar desavenças e confrontos.

Vale lembrar que as tecnologias são uma continuidade da relação, e ignorar online é a mesma coisa do que ignorar alguém que está na sua frente. O quanto você gostaria se fizessem isso com você? Já parou pra pensar? 🤔

Colocar um ponto final em uma relação que não está boa se faz necessário, não tem porquê seguir com uma coisa que não está funcionando mais e que não tem mais salvação, então faça. Mas faça consciente e da melhor forma possível para ambos os lados. E vida que segue! Tá bem? Então tá bem! 🙂

Como superar um pé na bunda

Quem nunca levou um pé na bunda (ou fora, que seja), não é mesmo? Se não levou, provavelmente ainda vai levar… 😅 Enfim… Longe de mim querer cagar regras, mas reuni aqui algumas táticas que podem ajudar a enfrentar esse momento que costuma não ser dos mais agradáveis e fácies de lidar né… Afinal, superar é preciso.

  1. Primeira e mais óbvia, arrume outra pessoa. Aquela máxima de curar um amor com outro. Nem sempre/dependendo da situação não é a ideia mais indicada, você pode acabar se enrolando mais ainda, mas costuma funcionar. Ninguém é insubstituível, não mesmo, por mais que pareça. Coloque outra pessoa no lugar e vá ser (ou tentar ser) feliz novamente. Nota: não me responsabilizo por possíveis danos 😂
  2. Saia com os amigos, vá se divertir e se distrair. Aproveite que está sozinho(a) para reunir os amigos, reencontrar aqueles que não vê faz tempo… Amigos servem pra isso mesmo. E amigo que é amigo tá contigo nesse momento te dando força e te colocando pra cima, então se joga nos (bons) amigos!
  3. Meta o loko. Sim. Pode ser benéfico nesse momento. Se joga! Vá pra farra, pra balada, pra putaria. O corpo é seu, a vida é sua (e é curta) e você não deve nada pra ninguém. Tome um porre sim. Durma com desconhecidos sim. Mas só faça isso se for da sua vontade. Nunca para esquecer alguém, ok? E tudo com juízo e cuidado hein…
  4. Faça coisas que você gosta. Se permita. Não precisa ser nada grande. Se apegue às pequenas coisas (aproveite para valorizá-las). Faça uma lista de pequenos prazeres e coloque em ação. Tome um sorvete na segunda-feira, vá ao cinema na terça-feira (já experimentou fazer isso sozinho(a)? Caso não, essa é a hora!). Compre um presente pra você mesmo na quarta-feira, e aí por diante.
  5. Faça uma viagem. (Mais uma coisa que se não fez sozinho(a) ainda, não espere mais, faça!) Conhecer lugares novos é sempre bom, nesse momento então nem se fala! Tire uns dias para você e vai! Caso não tenha condições financeiras para tal ou não possa por algum outro motivo, como trabalho ou estudos, faça uma viagem sem sair do lugar. Sim, é possível. Escolha um destino no mundo e pesquise sobre ele, descubra. Leia livros e reportagens sobre aquele lugar, assista vídeos sobre. Hoje em dia com a internet é possível conhecer diversos lugares sem sair de casa. E quando tiver a oportunidade, conheça pessoalmente.
  6. Última, mas não menos importante, comece algo novo. Se matricule em algum curso que você tenha vontade de fazer, alguma aula que já tenha tido interesse e adiou… Tem sempre algo novo para aprender. Vá fazer uma aula de dança, uma luta, aprender um idioma novo, tocar um instrumento, aprender crochê… Nota: dá pra aprender coisas novas sem gastar dinheiro. Existem diversos tutorias na internet e apps que ensinam das mais variadas coisas.

Dicas extras: evite procurar saber do ex(u), nada de ficar stalkeando ele nas redes. Evite ir aos lugares que vocês iam juntos e/ou lugares que você sabe que vai encontrá-lo. Ok?

Resumindo… Se mantenha ocupado(a) com coisas que te dão prazer. Foque em você. Aproveite o momento para se conhecer melhor, para crescer e se amar mais. Use o término como incentivo para ficar mais bonito(a), e mostrar ao ex o que ele perdeu. aloka E como dizem por aí, segue o baile! A fila tem que andar, né mores? Tá bem? Então tá bem! 🙂

img_5360

Fique solteiro por quanto tempo for necessário

Que eu defendo a solteirice e sou adepto da filosofia do “antes só que mal acompanhado” não é nenhuma novidade pra quem me acompanha aqui, já falei sobre isso aqui e aqui. Mas antes que me rotulem do que quer que seja, deixo claro que, assim como gosto de estar solteiro, também adoro estar em um relacionamento e acredito em amor sim, mas um relacionamento saudável e amor recíproco. Amar e ser amado é tão bom quanto se amar.

Para tal, temos que nos permitir experimentar, vivenciar novas experiências e estar aberto às possibilidades. E é exatamente sobre isso que fala o texto abaixo. Um texto simples e direto, que transcreve muito bem o que eu penso e acredito.

Você tem uma vida inteira para encontrar o amor da sua vida, fique solteiro por quanto tempo for necessário…

 

Se você encontrar alguém que o  faça  mais feliz do que tudo, que faça você querer se tornar uma versão melhor de si mesmo, crie uma conexão com essa pessoa e passe a eternidade ao lado dela.

Mas se você ainda não encontrou uma pessoa assim, então fique solteiro pelo tempo que precisar. Não tenha vergonha de dizer isso aos seus tios quando perguntarem sobre a sua vida amorosa. Não se sinta constrangido por ser  o único dos seus amigos que ainda não se casou. Não se iluda acreditando que você ficaria melhor se estivesse em um relacionamento com alguém.

É melhor ficar solteiro do que estar com alguém que leva horas para responder suas mensagens, ou alguém que pensa estar fazendo um favor ao lhe dar o mínimo de atenção que você merece e fica bravo contigo por cada pequena coisa que você faz.

Não fique com uma pessoa tóxica – ou alguém que é um amor de pessoa, mas você simplesmente não consegue sentir o mesmo e retribuir, espere. Espere um relacionamento onde os sentimentos são mútuos. Onde vocês dois estão loucos um pelo outro. Onde ambos podem imaginar um futuro que dura para sempre.

Você tem uma vida inteira a sua frente, tem tempo para perseguir seus sonhos. Agora é hora de formar novas amizades, hora de ganhar aquela promoção. E mais do que tempo suficiente para encontrar o amor da sua vida.

Você está autorizado a namorar por aí. Você está autorizado a beijar as pessoas erradas, a dormir com as pessoas erradas, a se comprometer com as pessoas erradas. Você está autorizado a se aventurar em diferentes relacionamentos, para ver que tipo de pessoas são certas para você e quais são completamente erradas. Você está autorizado a experimentar!

Mas você também está autorizado a ficar solteiro. Você está autorizado a escolher ficar em casa durante o fim de semana ou na cama durante as noites de baladas com os amigos. Você está autorizado a escolher você ao invés de encarar estranhos em um bar.

Você pode encontrar o amor da sua vida no seu próprio ritmo.

*Texto original de Holly Riordan

Vive melhor quem sabe a hora de se afastar…

Uma monótona tarde de domingo como outra qualquer, estava eu com uma leve ressaca, navegando na internet, quando me deparei com esse texto foda; então resolvi compartilhar com vocês esse tapa na cara. Leitura necessária para quem, assim como eu, é apegado (seja às pessoas, às coisas ou aos momentos), para quem se humilha pro boy lixo e/ou amigo lixo e para todas as outras pessoas que, às vezes, colocam o amor próprio no bolso.

“Você tem que aprender a levantar-se da mesa quando o amor não estiver mais sendo servido.” (Nina Simone)

E então o tempo passa e tudo começa a ficar diferente do que era antes. As pessoas mudam, outras vão embora, os ambientes tomam outras formas, o mundo renova-se e, ali no meio disso tudo, ficamos nós, tentando nos equilibrar nesta corda bamba que é a vida. Talvez por conta desse exterior em constante mudança, sempre imprevisível, tentamos manter as coisas em ordem perto de nós, como se precisássemos de alguma constância em meio a essa vida que chacoalha sem parar.

Infelizmente, se nos prendermos a coisas e pessoas, depositando-lhes toda carga de responsabilidade sobre nosso equilíbrio, necessitando de que tudo fique como e onde está, sempre, apesar de tudo, haja o que houver, muito provavelmente estaremos condenados a nos decepcionar fortemente. Haverá momentos em que tudo o que parecia certo se desmorona e nada volta a ser como antes nem ninguém será como já foi um dia. Para então sobrevivermos, teremos que ir, teremos que deixar ir, sejam os momentos, sejam as coisas, as pessoas, os sentimentos.

Teremos que perceber quando não formos mais parte de certos lugares, quando não mais precisarem de nós ali, quando nossa presença não for requisitada, quando nosso amor não mais encontrar terreno afetivo ao lado de quem foge ao nosso olhar. Porque haverá ambientes que ficarão melhor sem nossa presença, haverá pessoas que desejarão nossa distância, haverá vidas correndo com tranquilidade longe de nós. Ainda que não seja fácil, será preciso nos afastar do que e de quem já caminha longe da gente.

tumblr_m6jpyzn5sq1ql13bzo1_500_large

Na verdade, mesmo que leve um tempo, acabaremos chegando à conclusão de que tudo o que não nos requer e todos que não nos chamam mais não nos farão falta alguma, pois o que não carrega reciprocidade não vinga, não floresce, nada oferta nem acrescenta. Ficaremos bem melhor longe do que não nos recebia com verdade. Muitas vezes, até, nosso afastamento será providencial para que nossa ausência traga clareza quanto à importância que temos, fazendo com que voltemos mais fortes junto ao que era incerto e já não é mais.

Como se vê, embora relutemos muito em nos desprender de algumas coisas e de certas pessoas que temos como imprescindíveis, tomarmos a atitude de nos afastar do que já transbordou para o lado errado, do que sufoca e apaga o nosso sorriso, de quem mal nos percebe e pouco se importa, acabará por nos poupar de machucados e dissabores, pois é assim que tomaremos de volta nosso amor-próprio, é assim que saberemos nos valorizar antes de tudo. Sofrer com as rupturas nos fortalece e passa; sofrer sem ter coragem de sair daquilo que causa dor nos diminui e não tem fim. A escolha é só nossa.

*Texto de Marcel Camargo

 

Saber a hora de fechar uma porta e abrir uma janela, muitas vezes, se faz necessário. Tudo muda o tempo todo. Não há nada que dure para sempre, por mais que a gente queira. Tomar decisões nem sempre é uma tarefa fácil, mas permanecer e insistir no erro pode ser letal. É preciso coragem para se abrir ao novo. Uma vez uma senhora me disse: “Nunca se esqueça que aquilo que está por vir será sempre melhor do que aquilo que já foi.” É isso, eu sigo acreditando… Cada dia mais.

Medo de ficar sozinho

Dias atrás estava num bar com amigos jogando conversa fora quando um deles disse que não entendia por que eu estava sozinho. Citou mil e uma qualidades minhas e me questionou por que eu não namorava e se eu não tinha medo de ficar sozinho.

Sem hesitar, eu respondi que não. Ele ficou surpreso e quis saber por quê. Se você também não entende como alguém não tem medo de ficar sozinho, vou lhe explicar. Pelo simples fato de que eu fico super bem sozinho, eu adoro a minha companhia. Sou adepto da velha filosofia do “antes só que mal acompanhado”, sabe? Acho que se você está com alguém que não te valoriza, que fica fazendo joguinho, que tira sua paz, não vale a pena. Se eu for ficar com alguém, tem que ser alguém que vá agregar, que vá somar. Alguém tão intenso como eu, que não seja pouco, que me faça transbordar. Sentimentos por migalhas não me atraem. E enquanto essa pessoa não aparece, eu fico muito bem comigo mesmo. E se essa pessoa não aparecer, tudo bem também. Sigo completo.

Você deve estar pensando, “nossa, que autossuficiente…” Talvez sim, talvez não. A questão é se conhecer, se amar, se respeitar, ter consciência de que a sua felicidade só depende de você, e vem de dentro. De dentro de você. A gente tem que aprender a ser feliz sozinho, porque só assim vamos ser felizes com alguém. Então a companhia alheia será questão de escolha e não uma necessidade. Eu sou a minha melhor companhia. Seja a sua também.

Mas se você tem esse medo, tudo bem. Normal. Eu também já tive. Acredito que a maioria das pessoas tenha. Até porque dizem muito por aí que “é impossível ser feliz sozinho”… A gente acaba acreditando.